Posts Tagged ‘férias’

O 25 está fechado! Calma, calma… não é por muito tempo.

Vá juntando seu rico dinheirinho que voltaremos com promoções imperdíveis, daquelas “com mais R$5,00 leve a bíblia em CD narrada pelo Pato Donald” ou “monte o Maracanã com 1000 peças de Lego, duas em cada edição!”.
Vale lembrar que esse post também é um convite para todos que já estiveram aqui no blog e gostariam de entrar para a comunidade 25, coloque o dedo a-qui. E no dia 25 desse mês tem reunião. Baixe o papel de parede clicando na imagem aí de cima para não se esquecer. Local ainda não definido.

Deixem suas condolências nos comentários e para onde irão nas férias. Meet me in Mountauk.

Hasta!

Braulio Rezende

alemparaiba.jpg

Sem muito o que dizer, sem muito o que falar. Estou de férias no interior. Na cidade de Além Paraíba, Minas Gerais. Vim curtir um pouquinho de papai e mamãe. Aqui é tudo bem típico de cidade interiorana mesmo.

Padeiro passa na nossa porta de manhã bem cedinho vendendo pão.

O caminhão de gás passa na nossa rua, não toca aquela musiquinha insuportável, e o cara anuncia: “AOOOO GÁÁÁASSS”.

O trem passa na porta das casas, no meio da rua e faz “PIUI TIC TAC, PIUI TIC TAC”. Aqui não tem asfalto! Isso! As ruas são todas de pedrinhas.

Na cidade só tem um prefixo de telefone. Sim, as pessoas ao trocarem seus números dizem: “me liga! Meu número é 3101”.

Todo mundo conhece todo mundo pelo nome – e ou sobrenome.

A padaria do meu tio é a referência da cidade. “Bora todo mundo encontrar na padaria do Tomé”.

A gente vai a pé a todo e qualquer lugar.

Pode-se dormir de portas e janelas abertas. (Inclusive eu custei a me adaptar a essa idéia. Custei a pegar no sono, levantei e fechei a sacada nas primeiras duas noites. Até que em um belo dia, minha prima de 12 anos virou bem séria pra mim e disse: ‘aqui não é Belo Horizonte’. Ok, ok. Decisão acatada e viva a liberdade”).

Sem contar que a cidade não tem favela. Ta, tudo bem. Não é preconceito nenhum. Juro! É que depois do último susto que passei em BH com aqueles meninos… (o Thiago, lembram?) prefiro me manter numa cidade pacata como esta.

Enfim, nestas férias de verão eu realmente estou descansando e relaxando. Acordo a hora que quero. Faço o serviço da casa que a mamãe deixou pra mim. Volto a dormir. Acordo para almoçar. Durmo mais um pouco. Desço para a padaria. Encontro com uma meia dúzia de conhecidos – apesar de não ser da cidade. Vou para uma lan house – que por sinal tem uma conexão lennnnta demais. Volto para casa e adivinhem. Durmo mais um pouco. Quando que eu tenho uma rotina destas estando em Belo Horizonte? Ah, mas se não fosse esse meu jornalismo de cada dia, eu pensaria seriamente na hipótese se me mudar para o além…

A INDAGAÇÃO DO DIA

Já ouviram falar em premonição? E em premunição torta? Gente, essa semana eu tive algo muito parecido. Há alguns dias eu vinha sonhando que uma pessoa muito queria (mas meio distante) havia morrido. A gente não mantém contato há algum tempinho… fiquei encasquetada e resolvi entrar em contato com ela. Quando foi hoje, ela me respondeu. Fiquei sabendo que uma pessoa ligada a ela faleceu. Estava aí a resposta para os meus sonhos… eu que vinha sonhando com mortes naquela família fiquei sabendo que uma das pessoas que eu mais gostava acabara de falecer. Triste isso! Bem, mas a indagação do dia é: poxa, se é para ter uma premonição não dá para prever o troço direito não? Fiquei sofrendo por dias com a angústia que uma pessoa poderia desencarnar… se a premonição fosse reta e completa, pelo menos eu poderia fazer algo para impedir. Ou não. Vai saber!