Posts Tagged ‘orkut’

“Administre bem o seu tempo. Chegar antes e sair depois de todos não é sinônimo de dedicação e competência. Cuidado com o tempo perdido com e-mails, MSN, com a navegação na Internet ou com o Orkut. O estagiário deve se perguntar ao final de cada dia: “Eu dei lucro ao meu empregador hoje? Se a resposta for afirmativa, você está no caminho certo.”

Tom Coelho – especialista em carreira e conteúdo motivacional

O sujeito quase nunca chega dando bom dia. Passa pela mesa da secretária, ela cerra os olhos e passa uma rasteira sobre os óculos com lentes grossas e pontiagudas nas extremidades. São oito e meia da manhã e o seus olhos mal conseguem abrir frente aos feixes de luz que ultrapassam as persianas do escritório (ele mal sabe que a moça do café acordou logo cedo e ainda caminhou até a porta para acender a luz). Ele senta em frente ao computador e “loga” no SISTEMA. Vão ser longas 6 horas diárias.

Com seis horas eu destruiria uma cidade, eu ficaria vermelho de tanto pegar sol na praia, eu veria a trilogia de Denys Arcand, dormiria do jornal hoje até o nacional, aprenderia aproximadamente 17 novos vocábulos chineses.

Mesmo com o olho semi-aberto, ele percebe que ninguém ali ainda notou a sua presença. Como ele foi parar ali?

– Bom, surgiu essa “oportunidade” quando recebi um e-mail de um professor de arte oferecendo vagas para estagiários em uma empresa que fabricava rótulos para verduras em conserva. Naquela época, verdura pra mim era uma categoria onde se encaixavam somente alimentos verdes, com talos e que estalavam na boca. Santa ingenuidade. Mandei a ficha e no outro dia já me chamaram… Devo ter sido o único.

Ele sempre conservou alguns vícios como sintonizar a freqüência das rádios alguns Hz a cima ou a baixo da normal, para que junto com a música fossem escutados ruídos. Ah! Também gostava de fazer xixi nos mictórios na mesma hora em que a água da descarga escorria. Se ainda viesse com gelo e limão, dava até pra perceber um leve sorriso de canto de boca.

Post-it: pesquisar sobre urinoterapia no google e seus benefícios.

Ele abre a caixa de e-mails. Nada de novo. Parte para o leitor rss e começa a rodar a barra de rolagem…

Fone de ouvido: E éramos dois a rodar…e rodar…e rodar…*chiado*dar e rodar…

São mais de 150 feeds com muita informação.

Se você tem informação, você esta a frente do seu concorrente… A ANOS LUZ! Informação é a maior riqueza dentro de uma empresa, mas cadê a INTELIGÊNCIA COMPETITIVA?

Nessa altura, todo mundo ou está circulando ou está apegado a algum canto da empresa geralmente habituado a algum fim: corredor dos fumantes, a copinha do café, sala de reuniões… Quase ninguém permanece em sua própria mesa, a não ser o ESTAGIÁRIO.

Os mais velhos se preocupam com a postura do rapaz, os mais individualistas nem o percebem, os mais espertos sabem que ele não está fazendo nada que os ameace… Mas a mão de obra é barata, não é? Então deixe que digam, que pensem, que falem, deixo ISSO pra lá, vem pra cá, o que é que tem, eu não tô fazendo… *chiado* você também.

Já é hora do almoço. O estagiário boceja pela ultima vez no dia. Pega suas coisas e diz que vai ali comprar um cigarro. O chefe pede um favor.

-Traz um box de Marlboro light pra mim.

– Claro, light! É como comer goiaba e não gostar de caroço.

O ESTAGIÁRIO volta para seu posto. Responde alguns recados no Orkut, liga para a colega, redige um trabalho de faculdade, escreve pro blog, faz xixi no mictório, solta um sorisso pelo canto da boca, liga a rádio, analisa alguns rótulos, pergunta pro google, o google responde, envia pro chefe uma técnica nova, que é recusada.

Não tente mudar os paradigmas de sua empresa.

O ESTAGIÁRIO pega suas coisas e vai embora num sol de rachar. A moça do café não.

Passa pela secretária, dá um “tchau dona Kátia” e segue escada abaixo, sempre cortando caminho antes que alguém segure o elevador…

Eu fiz uma comunidade no Orkut chamada “Bulimia” – baseada numa tirinha dos personagens Cyanide and Happiness. E mocinhas magérrimas começaram não só a aparecer na comunidade como me adicionar e conversar sobre vários assuntos relacionados à doença.

Seria ótimo se fossem apenas pessoas que não entenderam a piada e queriam se informar sobre a doença. Mas não eram. Eram moças que levaram a piada a sério e que realmente sofriam da doença.

Descobri assim que há toda uma cultura em volta de bulimia e anorexia. Perfis montados para contar quanto quilos foram perdidos por dia, fóruns de discussão e blogs que juram que não se trata de uma doença – mas sim de um estilo de vida! Alguns até são denunciados e tirados do ar, mas eles pipocam online rapidamente.

Eu fiquei perplexo. Não podia acreditar. Pra mim essas doenças só apareciam pra lá da Europa, nos camarins dos desfiles e nos documentários do GNT. Nunca tinha imagino que havia isso aqui tão perto de mim – no meu bairro.

O que mais me impressiona.

Primeiro que a base de pensamento é completamente imbecil. Não é possível que depois de tanta falação e esclarecimento as pessoas ainda achem que não comer nada faz bem. Eu tenho notado que até algumas das revistas femininas, então chamadas vilãs, tem mudado de rumo e sido menos dramáticas e maquiavélicas com suas dietas.

Segundo que é óbvio que é uma doença, não? E das brabas. Rapaz, vomitar é muito ruim. Fazer isso como hobbie não pode ser normal. Ah, aliás, elas não chamam de “vomitar”, e sim de “miar”. Com esses perfis eu tive a chance de ver fotos e ler textos assustadores. Não sei se assustariam todos, mas eu – que como feito um porco faminto mas que fui abençoado com um metabolismo de primeira e passo cinco manhãs por semana na academia – fico achando uma solução triste pra controlar o peso. Na verdade, chamaria até de fácil, pois é uma trapaça com o próprio corpo.

Enfim, mais um texto nada a ver. Mas é a coisa que tem mais ocupado a minha mente. Ainda acho a comunidade engraçada, mas coloquei ela como moderada. Assim, se algum desses perfis a favor das doenças aparecer eu posso denunciar e tals. É o máximo que posso fazer aqui. Se você conhece ou suspeita que alguém tenha alguma delas, faça alguma coisa. É muito grave.